Faixa de Gaza

embaixada

Conflitos com forças de segurança já deixam 500 feridos
14 de Maio de 2018

EUA inauguram embaixada em Jerusalém sob graves confrontos

Faixa de Gaza

EUA inauguram embaixada em Jerusalém sob graves confrontos

Conflitos com forças de segurança já deixam 500 feridos

A inauguração da Embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém no dia em que o Estado de Israel comemora 70 anos de criação acontece em meio a protestos, nesta segunda (14). Autoridades palestinas afirma que pelo menos 41 manifestantes morreram e pelo menos 500 ficaram feridos nos confrontos entre grupos palestinos e forças militares israelenses. Desde 30 de março, os palestinos protestam na fronteira entre a Faixa de Gaza e Israel pelo direito dos palestinos de voltarem para os locais de onde foram removidos após a criação do Estado de Israel, em 1948. As manifestações fazem parte da chamada “Grande Marcha de Retorno”. O presidente norte-americano, Donald Trump, não vai até a cerimônia de abertura da embaixada. A filha de Trump, Ivanka Trump, e o genro e assessor, Jared Kushner, já estão no local. Trump fará apenas um discurso por vídeo. Em dezembro do ano passado, o presidente norte-americano reconheceu Jerusalém como capital de Israel. Para quase toda a comunidade internacional e para as Nações Unidas, a capital israelense é Tel-Aviv. A atitude de Trump revoltou o mundo árabe, principalmente os palestinos. Neste domingo (13), alguns países boicotaram um evento do Ministério das Relações Exteriores de Israel para celebrar a inauguração da Embaixada dos Estados Unidos. Entre os países que não foram ao evento estão Espanha, Reino Unido, França e Itália.