Dias contados

Cláudio Humberto (HOME)

Aumentos da Petrobras vão 'repor' seu valor em poucos meses
22 de Maio de 2018

Exclusão da Cide será ‘zerada’ antes das eleições de outubro

Dias contados

Exclusão da Cide será ‘zerada’ antes das eleições de outubro

Aumentos da Petrobras vão 'repor' seu valor em poucos meses

A exclusão do imposto dos combustíveis Cide do preço da gasolina, do diesel e do etanol será neutralizada em poucos meses, com a política de reajustes adotada pela Petrobras há dez meses. Estimativas oficiais apontam para cerca de 30% de aumento desde julho de 2017. Só este ano, até agora, foram quase 9%. Assim, os 10% da Cide podem ser neutralizados pela ganância da petroleira antes mesmo das eleições. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder. A ideia de “zerar” a Cide sem mexer na política da Petrobras não passa de um gesto eleitoral com prazo de validade: cinco meses. A Petrobras cita “cotação internacional”, mas a composição de preço ignora que seus salários, energia, insumos e o Tesouro são nacionais. Aliás, a Petrobras deveria abater dos seus preços tudo o que sacou a descoberto do Tesouro Nacional, na História, para tapar seus rombos. Em 2002, o então candidato Anthony Garotinho perguntou a Lula, num debate, se ele sabia o que é Cide. Começou ali a série “eu não sabia”.
22 de Maio de 2018

Etanol sofre boicote das distribuidoras como opção à gasolina

Boicote planejado

Etanol sofre boicote das distribuidoras como opção à gasolina

Preço é mantido alto para não ganhar mercado da gasolina

Petrobras e distribuidoras não gostam de lidar com o etanol porque o produto brasileiro é a maior ameaça à hegemonia da gasolina e do diesel. Ontem, com a alta abusiva da gasolina tornando o etanol mais vantajoso, faltou o produto. Vários postos de Brasília e outras cidades estenderam faixas avisando que o etanol acabou. Ao cobrar o produto, importante dono de postos de Brasília ouviu o desdém da distribuidora: “Nós somos distribuidores de petróleo e não de álcool, pô, não enche!”. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder. A Petrobras alega “leis do mercado” para impor reajustes criminosos. Mas teme a concorrência do etanol com a gasolina que produz. Pelas “leis de mercado”, a Petrobras deveria enfrentar não apenas a livre concorrência do etanol, mas também da gasolina importada. O etanol sofre aumentos para não ficar mais vantajoso que a gasolina. Mas para o produtor o preço é o mesmo há mais de um ano: R$1,54.
21 de Maio de 2018

ANP não explica proteção aos atravessadores do mercado de combustíveis

Silêncio constrangedor

ANP não explica proteção aos atravessadores do mercado de combustíveis

Cartório da ANP enriquece distribuidor e prejudica consumidor

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) foge, como o diabo da cruz, de explicar sua resolução 43/2009 proibindo os mais de 400 produtores brasileiros de etanol de vender esse combustível diretamente aos postos, obrigando-os a entregar o produto a três distribuidoras, que atuam como atravessadoras. Por isso, o etanol que sai da usina a R$ 1,54, chega em vários postos de Brasília a R$ 3,27 para o consumidor. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder. Dirigentes da ANP devem ter lá suas razões para se esconder quando indagados sobre a resolução bizarra beneficiando os atravessadores. O lobby poderoso das atravessadoras também impede que a Câmara vote a urgência do projeto que suspende a resolução 43/09 da ANP. O diretor Aurélio Amaral e o sub Francisco Neves, ligados ao tema, poderiam explicar o cartório que beneficia atravessadores. Mas calam. Há cinco dias a coluna aguarda a explicação da ANP e seus dirigentes sobre tanto amor pelos atravessadores. “Está na área técnica”, dizem.
21 de Maio de 2018

Acabou a moleza: governo já não paga quarentena a ex-ministros de Dilma

Fim da boquinha

Acabou a moleza: governo já não paga quarentena a ex-ministros de Dilma

Boquinha de ex-ministros petistas custava R$1,2 milhão mensais

Dois anos depois, já não há ex-ministros do governo Dilma Rousseff (PT) pendurados nas tetas da “quarentena” generosamente atribuída pela Comissão de Ética Pública da Presidência da República. No auge, ex-auxiliares petistas “mamaram” um total de R$1,2 milhão por mês em salários sem trabalhar, ao menos oficialmente. Além de ex-ministros, também ex-presidentes de estatais conseguiram idêntica “boquinha”. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder. Apesar dos males que arruinaram o Brasil, cerca de 80 autoridades do governo Dilma faturaram a quarentena. Foram mais de 20 ministros. Ao menos Comissão de Ética poupou nosso bolso da quarentena pretendida pelo ex-presidente do BNDES Paulo Rabello de Castro. Atualmente recebem quarentena dois ex-auxiliares do governo Temer: Leandro Daiello (Polícia Federal) e Guilherme Campos (Correios).